EPM inicia curso de Direito Digital com novos recursos de EaD

SIstema da BroadNeeds executado de um iPad

Hoje (8) teve início, na Escola Paulista da Magistratura (EPM), o curso de extensão universitária em Direito Digital, coordenado pelo juiz assessor da Presidência Fernando Antonio Tasso e pelo professor Renato Opice Blum.
Com 36 horas aula, o curso prossegue até o dia 7 de junho, abrangendo temas como direitos autorais e mídias digitais, crimes eletrônicos e os tribunais, redes sociais e riscos, contratos eletrônicos e responsabilidade civil dos provedores de internet, direito comparado, combate ao cibercrime, entre outros.
O curso inaugurou uma nova interface para o usuário do sistema de ensino a distância (EAD) da Escola, com a possibilidade de utilização em todos os navegadores e do acesso às aulas em dispositivos móveis, como tablets e smartphones.
O professor Renato Opice Blum proferiu a aula inaugural “Introdução ao Direito Digital”. Ele apresentou um panorama da evolução da legislação cibernética, citando os diplomas legais do Brasil, além de jurisprudência, aplicações práticas e desafios relacionados.
O palestrante ressaltou a posição do Brasil no mundo, com quase 90 milhões de usuários de internet, perdendo apenas para o Japão, Estados Unidos e China. “O Brasil é o 2º país do mundo em usuários do Facebook”, ressaltou.
Em relação ao Direito Digital, defendeu a necessidade de setores especializados nos Tribunais, no Ministério Público, nas Procuradorias e Defensorias para agilizar as decisões. “Talvez o Brasil seja o país com mais decisões judiciais sobre Direito Digital e Direito Eletrônico, superado – se for – apenas pela França”, observou. Ele acrescentou que há decisões dos tribunais brasileiros que ainda não existem em outros países, citando, como, por exemplo, recente decisão da ministra do STJ Nancy Andrighi, que estabeleceu o prazo de 24 horas para retirada de conteúdos da web.
O professor destacou a questão da proteção da imagem e da privacidade, observando que não possui mais expectativa de privacidade. Ele atentou para os limites da liberdade de expressão e para os prejuízos decorrentes das agressões virtuais. “Embora haja previsão legal no Brasil para os crimes de calúnia, injúria e difamação, costumo dizer que a Justiça absolve, mas a internet condena”, afirmou.
Opice Blum destacou, ainda, os riscos da internet para a família, a responsabilização dos provedores e outras questões, apontando os maiores desafios para o combate aos cibercrimes e atentando para sua gravidade: “De acordo com o FBI, os ataques cibernéticos estão entre as três maiores ameaças mundiais”.
Encerrando a aula, o juiz Fernando Tasso ressaltou que o Direito Digital é um campo tão vasto quanto interessante e homenageou os servidores da Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) pela implementação dos novos recursos de EAD da Escola. “A STI está fazendo um belíssimo trabalho de expansão e avanço da EPM, rumo ao século XXI, quiçá XXII, fazendo com que esse evento seja um sucesso e permitindo a realização de um sonho para a Escola e para o Tribunal de Justiça, ao possibilitar que o aluno acompanhe o curso, em tempo real, em seu tablet”, concluiu.

Comunicação Social TJSP – MA (texto e fotos)
imprensaepm@tjsp.jus.br